Israel suspende negociações de paz

Israel suspendeu abruptamente, hoje, conversações de paz com os palestinos, depois que dois israelenses foram mortos na Cisjordânia por integrantes do Hamas. Não ficou imediatamente claro por quanto tempo as conversações ficarão suspensas. Israel cancelou brevemente negociações no passado, em vista de ataques palestinos contra israelenses.Os dois lados, reunidos no balneário egípcio de Taba, promoviam uma maratona de discussões pressionados por um curto prazo - até a eleição de 6 de fevereiro em Israel - quando surgiram notícias dos assassinatos.Ministros israelenses que faziam parte da equipe de negociação foram chamados de volta a Jerusalém para consultas, segundo um comunicado divulgado pelo escritório do primeiro-ministro Ehud Barak. "Durante as consultas não haverá conversações em nenhum nível", acrescentou o comunicado. Entretanto, autoridades de baixo escalão permaneceram em Taba.O negociador palestino Ahmed Qureia condenou os assassinatos, mas disse ter ficado surpreso com a reação de Barak. "Naturalmente, isso irá afetar negativamente as negociações", afirmou ele a repórteres. Autoridades palestinas, que pediram para não ser identificadas, prometeram que as forças de segurança palestinas investigarão o incidente.Militares de Israel disseram que os dois israelenses comiam num restaurante na cidade de Tulkarem, na Cisjordânia, quando dois mascarados entraram no local, forçaram-nos a sair e balearam-nos. O corpos dos dois, que segundo rádios e a tevê israelenses seriam proprietários de um outro restaurante em Tel Aviv, foram encontrados nas proximidades do campo de refugiados de Nur Shams, perto de Tulkarem.O grupo palestino Hamas, que não reconhece os acordos de paz nem a existência de Israel, reivindicou a autoria do ataque e assinalou que os dois eram membros do serviço de segurança israelense, o Shin Bet.As autoridades de Israel tinham proibido os cidadãos do país de viajarem para os territórios ocupados depois do início da intifada, em 29 de setembro. No passado, Israel cancelou esforços de paz em reação a assassinatos de seus cidadãos.Em Taba, havia sinais de progresso. Autoridades disseram que os dois lados apresentaram mapas para ilustrar posições sobre questões fronteiriças e sobre o controle de partes de Jerusalém.Barak levantou a proposta de uma adminsitração compartilhada da Cidade Velha de Jerusalém. "Assim, não haveria uma cidade dividida e haveria acesso livre para todos. Temos de encontrar um meio para que a administração prática da vida em Jerusalém seja de fato compartilhada na Cidade Velha", afirmou a estudantes de um colégio. Ao mesmo tempo, ele afirmou que iria assegurar que lugares sagrados para o judaísmo, como o Muro das Lamentações e o Monte das Oliveiras, fiquem sob soberania de Israel."Se Israel insistir nessa posição, não vamos a lugar nenhum" rebateu em Taba o negociador palestino Saeb Erekat. A AP quer a soberania total sobre Jerusalém Oriental, incluindo a Cidade Velha. Erekat insistiu que a AP não considera nem a possibilidade de dividir a soberania sobre a área.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.