Israel teria convencido China a apoiar restrições

O apoio da China à Resolução 1.929 aprovada na quarta-feira pelo Conselho de Segurança da ONU contra o Irã surpreendeu a comunidade internacional e até mesmo os iranianos, que se sentiram traídos por Pequim. Compradores de petróleo de Teerã, os chineses sempre foram relutantes em aplicar novas sanções contra o governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad. Os EUA intensificaram a pressão diplomática, mas o que pode ter convencido Pequim foi a visita de uma delegação israelense em fevereiro, segundo reportagem do jornal The New York Times.

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2010 | 00h00

Israel teria mostrado aos chineses o impacto econômico para a China de um ataque aéreo israelense contra instalações iranianas.Os chineses, afirma a reportagem, teriam ficado impressionados e optaram por aceitar negociar. Sem o apoio de Pequim, não seria possível aprovar a resolução, pois os chineses têm poder de veto no Conselho de Segurança da ONU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.