Israel toma cidade-chave para invasão do Líbano

O exército de Israel tomou o controle da cidade de Marjayoun, no sul do Líbano. A guerra contra o Hezbollah pode se ampliar e se tornar ainda mais violenta se esforços diplomáticos falharem. O ministro da defesa de Israel, Amir Pertez, disse que o Exército iria usar "todos os equipamentos" para acabar com a guerrilha islâmica se as tentativas de cessar-fogo da ONU falharem. Líderes israelenses autorizaram a ampliação da ofensiva terrestre, mas resolveram esperar para começar, dando mais tempo para os diplomatas chegarem a um decisão que seja aceita pelo Líbano e Israel. No entanto, há sinais de que Israel se prepara para uma invasão maior.Em Beirute, aviões israelenses jogaram folhetos ameaçando uma resposta "forte e dolorosa" em resposta aos ataques do Hezbollah, e alertaram os moradores de três subúrbios a evacuar o local. In Beirut, Outro folheto jogado por aviões avisava que qualquer caminhão ou caminhonete que trafegar em uma estrada importante para a Síria pode ser bombardeadoNa quinta de manhã mísseis de Israel destruíram o topo de um farol histórico em Beirute., numa tentativa de derrubar a antena de transmissão da televisão estatal libanesa. A tomada da cidade de Marjayoun e dos arredores aparenta ser uma tentativa de consolidar bases no sul do país antes de ampliar a ofensiva. MarjayounMarjayoun é uma cidade de maioria cristã a oito quilômetros da fronteira do Líbano com Israel. A cidade foi usada como centro de comando por pelo Exército de Israel durante os 18 anos que o Estado judeu ocupou o sul do Líbano, até 2000. A tomada da cidade não foi considerada grande vitória no campo de batalha já que ela não dá grande apoio ao Hezbollah. O Hezbollah anunciou ter destruído 13 tanques israelenses. O Estado judeu ainda não relatou suas perdas. A organização shiita lançou cerca de 110 foguetes no norte de Israel, matando uma mãe e seu bebê. Soldados libaneses relataram a morte de quatro civis nesta quinta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.