Israel usará tempero forte contra greve de fome

Prisioneiros palestinos que fazem greve de fome nas prisões israelenses em breve serão tentados a interromper o protesto por temperos aromáticos, que serão utilizados pelos cozinheiros dos presídios. O método faz parte de uma estratégia psicológica que as autoridades penitenciárias israelenses analisam com o objetivo de encerrar a greve.A mobilização de cerca de 1.600 prisioneiros palestinos é o maior protesto do tipo desde setembro de 2000, quando começou a atual onda de violência entre israelenses e palestinos. Os organizadores disseram que o restante dos 7.500 presidiários palestinos mantidos por Israel aderirão à greve de fome até o fim da semana.Os prisioneiros iniciaram o protesto no domingo, para exigir o direito de receber mais visitas e mais formas de comunicação com o mundo exterior. Entretanto, a questão dos prisioneiros transcende essas exigências. Para analistas, a greve, extremamente organizada, teria como objetivo angariar apoio internacional contra os 37 anos de ocupação dos territórios palestinos por forças israelenses.Ofer Lefler, um porta-voz da autoridade penitenciária israelense, comentou que os administradores consideram a possibilidade de ordenar aos cozinheiros que utilizem temperos aromáticos. Segundo ele, ainda não foi tomada nenhuma decisão sobre o que será preparado, "mas o principal objetivo de Israel é evitar a morte de detentos" engajados na greve de fome.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.