Israel usou bomba de fragmentação no Líbano, diz ONU

Peritos da Organização das Nações Unidas (ONU) concluíram que Israel usou bombas de fragmentação em 249 locais no sul do Líbano durante o conflito das últimas semanas no país. Grupos de defesa dos direitos humanos criticam Israel por utilizar esse tipo de armamento, que espalha centenas de pequenas bombas em uma vasta área.A ONU afirma que muitas das pequenas bombas não explodem de imediato, deixando uma área de perigo para civis libaneses. Pelo menos oito pessoas teriam sido mortas por esses pequenos explosivos desde o cessar-fogo na região, há cerca de dez dias.Israel afirma que seus ataques tiveram como alvo o grupo militante libanês Hezbollah, e que entregou mapas para a ONU mostrando onde bombas que não explodiram podem estar. Outras equipes especialistas em limpeza de minas da ONU devem chegar ao Líbano até o final da semana.ONGNo final de julho, o grupo de defesa de direitos humanos Human Rights Watch, sediado em Nova York, divulgou o que disse ser provas de que Israel usou bombas de fragmentação em áreas civis durante a sua ofensiva no Líbano. Segundo a organização, um ataque de artilharia com munições de fragmentação em um vilarejo matou uma pessoa e deixou 12 feridas, inclusive sete crianças.O diretor-executivo do grupo, Kenneth Roth, alega que tais armas não têm precisão e não devem ser usadas em áreas povoadas. O Exército israelense alegou na época que o uso de munições de fragmentação não contraria leis internacionais e que está investigando o incidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.