Israel usou fósforo branco no Líbano, diz ONU

Uma equipe da ONU avaliando danos ambientais sofrido pelo Líbano durante a guerra Israel-Hezbollah de meados do ano confirmou que o Exército do Estado judeu usou projéteis de artilharia com fósforo branco, mas não encontrou evidências do uso de urânio empobrecido. Achim Steiner, subsecretário da ONU e diretor-executivo do Programa do Meio Ambiente da ONU, afirmou que amostras colhidas por cientistas confirmaram "o uso de munição de artilharia e de morteiro contendo fósforo branco" pelos militares israelenses durante o conflito. No mês passado, um ministro israelense havia admitido pela primeira vez que o Exército de Israel usou projéteis com fósforo branco na guerra, confirmando denúncias do Líbano. As Convenções de Genebra proíbem o uso de fósforo branco contra civis ou áreas civis, e Israel garante que usou a arma unicamente contra alvos militares do Hezbollah. Steiner também informou que sua equipe não encontrou provas do uso de munição de urânio empobrecido ou outro material radiativo, contrariando notícias da mídia que sugeriam que Israel usou esse tipo de arma na guerra de um mês, que terminou em 14 de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.