Israel vai acabar, como a URSS, diz presidente do Irã

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse nesta terça-feira em Teerã que Israel - a qual se refere como o "regime sionista" - vai desaparecer."Assim como a União Soviética desapareceu, em breve o regime sionista desaparecerá", afirmou ele, durante uma conferência cuja realização já causava polêmica por questionar a existência do Holocausto.O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse que o evento é "inacreditavelmente chocante".Blair descreveu o país islâmico como "a maior ameaça estratégica" para o Oriente Médio, dizendo que "o Irã está deliberadamente causando o máximo de problemas para governos moderados na região, na Palestina, no Líbano e no Iraque".Para o premiê, existe "pouco sentido" em incluir o Irã em negociações regionais "a menos que eles (os iranianos) estejam preparados para serem construtivos".´Afronta´Os Estados Unidos classificaram a conferência como "uma afronta para o mundo civilizado".A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que rejeita "da maneira mais incisiva a conferência realizada no Irã e a suposta não existência do Holocausto". O Vaticano emitiu uma nota nesta terça-feira dizendo que o Holocausto judeu foi uma "tragédia imensa ante a qual não podemos permanecer indiferentes". Desde que assumiu o poder no Irã, em agosto de 2005, Mahmoud Ahmadinejad tem provocado protestos da comunidade internacional com seus comentários sobre Israel e os judeus. Ele já chegou a dizer, por exemplo, que Israel tinha de ser "eliminado" do mapa e que o Holocausto era um "mito".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.