Photo by GIL COHEN-MAGEN / AFP
Photo by GIL COHEN-MAGEN / AFP

Israel apura causas do maior desastre civil de sua história

Pelo menos 45 pessoas morreram e 150 ficaram feridas em festa religiosa; polícia teria aumentado a confusão, dizem testemunhas

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2021 | 10h32
Atualizado 30 de abril de 2021 | 22h33

TEL AVIV - O governo de Israel abriu nesta sexta-feira, 30, uma investigação para apurar as causas do pior desastre civil de sua história. Na noite de quinta-feira, 45 pessoas morreram na dispersão de uma multidão de peregrinos em um festival religiosos em Monte Meron, no norte do país. 

Testemunhas relataram que a polícia dificultou a dispersão, que teria dado início à confusão. A conduta dos policias é parte da investigação. Pelo menos 150 pessoas ficaram feridas. Seis estão em estado grave. Israel, um país acostumado com mortes ligadas a atos terroristas, combates militares ou a questões de segurança nacional, não está habituado a desastres civis. Até então, a tragédia mais grave do país havia sido um incêndio florestal, em 2010, que matou 44 pessoas. 

Em Monte Meron, segundo o relato de peregrinos, a confusão ocorreu porque a polícia fechou uma das rampas de saída. “Chegaram mais pessoas, cada vez mais. A polícia não permitia a saída e elas começaram a se apertar umas contra as outras, e depois a se esmagar”, relatou Shmuel, de 18 anos. 

Outra testemunha descreveu que um grande número de pessoas foi empurrado para o mesmo canto. “Eu senti que estava prestes a morrer”, disse um peregrino. Muitas vítimas foram asfixiadas e pisoteadas. “Os policiais que estavam lá não deram a mínima”, afirmou Velvel Brevda, rabino que testemunhou o tumulto. Ele culpou o governo pelas mortes.

O festival em Monte Meron foi a primeira grande reunião religiosa realizada legalmente desde que Israel suspendeu quase todas as restrições relacionadas à pandemia do novo coronavírus. As autoridades permitiram a presença de 10 mil pessoas, mas, segundo os organizadores, foram fretados mais de 650 ônibus em todo o país, o que já representaria pelo menos 30 mil presentes. 

A imprensa local calculou o fluxo em 100 mil peregrinos, mas o número não foi confirmado pelas autoridades. Em 2019, um ano antes da pandemia, que provocou o cancelamento da peregrinação em 2020, os organizadores calcularam que 250 mil pessoas haviam comparecido ao evento.

O festival ultraortodoxo do Lag Ba’Omer celebra o aniversário da morte do rabino Shimon Bar Yochai, que viveu no século 2.º e foi enterrado no Monte Meron, na Alta Galileia. O lugar é considerado sagrado. Na festa, os judeus acendem fogueiras, dançam e fazem grandes refeições como parte das celebrações. Em todo o país, mesmo em áreas seculares, grupos menores se reúnem em parques e florestas para churrascos e fogueiras.

Segundo o jornal Haaretz, o tumulto começou depois que algumas pessoas escorregaram em degraus de uma passagem lotada de cerca de três metros de largura, sendo pisoteadas pela multidão que vinha atrás. 

“Formou-se uma pirâmide de pessoas, umas em cima das outras”, disse à agência de notícias Reuters um dos feridos no local. “Vi pessoas morrerem diante dos meus olhos”, afirmou o peregrino.

Um porta-voz da polícia disse que a capacidade da arena montada no Monte Meron era semelhante à dos anos anteriores, mas desta vez as áreas para fogueiras foram divididas por causa das medidas de distanciamento social. Isso pode ter criado pontos de estrangulamento inesperados, afirmou a imprensa israelense.

Especialistas há muito alertam que as celebrações do Monte Meron podiam acabar em um desastre por causa da superlotação e das grandes fogueiras. Até esta sexta-feira, haviam sido identificados os corpos de 32 vítimas, mas o processo foi interrompido e será retomado após o shabat, que termina hoje à noite. A Rádio do Exército de Israel disse que cerca de 40 pessoas estão desaparecidas.

Um porta-voz da embaixada americana disse que estava trabalhando com as autoridades israelenses para verificar relatos de que cidadãos dos EUA estavam entre os mortos.

O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, visitou o local da tragédia na sexta-feira. “A catástrofe do Monte Meron é uma das mais graves a atingir o Estado de Israel”, escreveu Bibi no Twitter. “O que aconteceu aqui é de partir o coração. Nestes momentos o nosso povo se une e é isso que estamos fazendo neste momento também.”

O premiê prometeu uma “investigação completa” da tragédia e decretou um dia de luto nacional no domingo. O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na sexta-feira que estava com o coração partido e telefonou para Netanyahu para oferecer apoio. “Estaremos ao lado de nossos amigos."

Nota do Itamaraty

O governo brasileiro emitiu, na noite desta sexta-feira, uma nota sobre o acidente em Israel e informou que não há, até o momento, informação de brasileiros feridos. A nota divulgada pelo Itamaraty diz que o governo recebeu com "consternação e profundo pesar" as notícias do trágico acidente. 

"O governo e o povo brasileiro solidarizam-se com os familiares e os amigos das vítimas, manifestam ao governo e ao povo de Israel suas condolências neste momento de luto e desejam pronto restabelecimento aos feridos." / AP, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.