Israel volta a bombardear o Líbano

A força aérea israelense continuou com seus ataques ao sul do Líbano nesta segunda-feira, mesmo com o acordo de trégua por 48 horas após quase 60 libaneses, em sua maioria crianças, terem sido mortos em um ataque de Israel, informou o exército.O bombardeio desta segunda, que aconteceu na vila de Taibe, foi realizado com o objetivo de proteger as forças terrestres que operavam na área e foram atacados por militantes do Hezbollah.O Hezbollah atacou um tanque israelense, ferindo três soldados. O ataque ocorreu perto das vilas de Kila e Taibe, onde o exército hebreu e os militantes do grupo extremista têm lutado por quase duas semanas.A rádio Israel ainda informou que mísseis do Hezbollah atingiram a cidade de Kiryat Shemona, ao norte de Israel. Não foram registradas nenhuma vítima, disse a rádio.Horas antes da batalha reiniciar, a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, exortou o Conselho de Segurança da ONU para conseguir um cessar-fogo até o final de semana, que incluiria a formação de uma força internacional para ajudar o exército libanês a controlar o sul do país.Mas o ministro da Defesa israelense, Amir Peretz, deixou claro em um discurso ao parlamento de Israel que um cessar-fogo imediato não é aceitável e que tem planos de ampliar a operação no Líbano. Milhares de soldados da reserva do exército estão sendo treinados para caso a entrada deles na guerra se faça necessária.Não se sabe ainda se os legisladores israelenses irão aprovar um aumento da ofensiva contra o Líbano."A luta ainda não acabou"O premier israelense, Ehud Olmert, disse a Condoleezza durante este final de semana que Israel precisaria de 10 a 14 dias para acabar com o Hezbollah, e o ministro da Justiça, Haim Ramon, discursou à rádio militar nesta segunda dizendo que "a luta ainda não havia acabado".O massacre em Qana aumentou a pressão internacional sobre Washington para apoiar um cessar-fogo imediato e fez com que Condoleezza parece sua viagem pelo Oriente Médio e voltasse aos EUA."Estou convencida de que a única maneira de conseguir um cessar-fogo e acabar com o Hezbollah seria o povo libanês tomar as rédeas de seu país e de seu futuro", disse Condoleezza.Ajuda humanitáriaAs Nações Unidas enviaram, nesta segunda-feira, comboios de ajuda humanitária para as cidades libanesas de Qana, ao sul, e para a cidade costeira de Tiro, informaram autoridades.Entretanto, autoridades da ONU disseram que os comboios para outras localidades no Líbano foram suspensos devido a frágil situação da segurança no país e a sempre eminência de ataques, tanto do Hezbollah quanto de Israel.As duas cargas de ajuda deixaram Beirute na manhã desta segunda, informou a porta-voz do Programa Mundial de Alimentos, Christiane Berthiaume, que está coordenando os envios de ajuda da ONU.Matéria atualizada às 11h08

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.