Israel volta a responder a ataques palestinos na Faixa de Gaza

Novos disparos de foguete ocorrem um dia após atentado que deixou uma mulher morta em Jerusalém

BBC Brasil, BBC

24 de março de 2011 | 09h15

O Exército de Israel voltou a atacar nesta quinta-feira, 24, a Faixa de Gaza, após militantes palestinos dispararem ao menos três foguetes e cinco morteiros contra o sul do país.  

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

Os novos ataques contra a Faixa de Gaza ocorrem um dia após o atentado a bomba que deixou uma pessoa morta e cerca de 30 feridas em um ponto de ônibus em Jerusalém.

Apesar de o atentado ter ocorrido em meio à escalada de ataques e represálias entre militantes da Faixa de Gaza e Israel verificada nos últimos dias, a polícia israelense disse não considerar que há uma conexão entre eles.

Segundo testemunhas locais, os ataques aéreos israelenses da madrugada desta quinta-feira atingiram um transformador de energia, provocando um blecaute na região.

Entre os alvos dos ataques estariam túneis usados para o tráfico de bens entre o território e Israel.

Não há relatos de vítimas dos ataques em nenhum dos lados.

A atual escalada da violência na região é a mais intensa desde a "Operação Chumbo Fundido" - a ofensiva israelense à Faixa de Gaza, de dezembro de 2008 a janeiro de 2009, que deixou cerca de 1,4 mil mortos do lado palestino e 13 do lado israelense.

Detenções

As autoridades israelenses anunciaram nesta quinta-feira a prisão de dois líderes do grupo militante palestino Jihad Islâmica na Cisjordânia, mas não informaram se a detenção tem relação com o atentado em Jerusalém ou com os disparos de foguetes da Faixa de Gaza.

Nenhum grupo reivindicou até agora a responsabilidade pelo atentado em Jerusalém.

A mulher morta no atentado foi identificada nesta quinta-feira como uma turista britânica de 60 anos. Seu nome não foi divulgado.

O primeiro-ministro de Israel, Biniyamin Netanyahu, prometeu na noite de quarta-feira agir "vigorosamente e responsavelmente" para restaurar a segurança no país após o atentado em Jerusalém.

Netanyahu advertiu os militantes palestinos de que Israel tem uma "vontade de ferro para defender seu Estado e seus cidadãos".

O premiê israelense atrasou em várias horas sua partida para a Rússia, onde está em visita oficial, por conta do atentado. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.