Israelense que matou pacifista em 1983 é libertado

Um israelense que matou um militante pacifista, durante uma manifestação no início da década de 1980, foi libertado da prisão após 27 anos. Yona Avrushmi saiu da cadeia sem falar com a imprensa. Em 1983, ele jogou uma granada contra ativistas do movimento israelense Peace Now, que protestavam contra a ocupação do sul do Líbano por Israel. O ativista Emil Grunzweig foi morto pela explosão e outras nove pessoas ficaram feridas. O assassinato chocou Israel e marcou um raro caso de violência política entre judeus. Avrushmi recebeu uma sentença de prisão perpétua, mas ela foi reduzida há 16 anos. As informações são da Associated Press.

AE, Agência Estado

26 de janeiro de 2011 | 16h18

Tudo o que sabemos sobre:
Israelassassinopacifistalibertação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.