Israelenses crêem que processo de paz prejudicou o país

A maioria dos israelenses tem uma opinião negativa do processo de paz iniciado em 1993 com os palestinos, informa uma pesquisa publicada hoje pelo jornal ?Yediot Ahronot?. Segundo o levantamento, 67% dos israelenses consideram que seu país foi prejudicado pelo processo de paz de Oslo, cidade onde o primeiro acordo interino foi negociado, em segredo. Apenas 21% consideraram que algo de bom saiu daquele processo. O acordo expressava a visão de dois Estados, Israel e Palestina, aos quais se deveriam chegar por meio de uma série de acordos e passos interinos. Muitos israelenses e palestinos pensam que essa visão está destruída. Durante uma visita a Oslo na terça-feira, o chanceler israelense, Shimon Peres, disse à imprensa que ainda tinha esperanças de chegar a um acordo. ?O acordo de Oslo não morreu nem fracassou. Ao contrário, está vivo e rastejando?, disse Peres. Em resposta a outra pergunta da pesquisa, 54% disseram que aceitariam concessões com o objetivo de chegar a um acordo de paz. A pesquisa, realizada pelo instituto Dahaf com 500 israelenses adultos, tem uma margem de erro de 4,5 pontos porcentuais.

Agencia Estado,

23 Agosto 2002 | 13h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.