Israelenses denunciam humilhação na Turquia

Passageiros dizem ter sido submetidos a interrogatórios de até 90 minutos no aeroporto de Istambul, em meio à deterioração dos laços diplomáticos

, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2011 | 00h00

TEL-AVIV

Israelenses que chegaram à Turquia ontem afirmaram ter sido segregados e revistados de maneira embaraçosa quando passaram pelo aeroporto de Istambul. As denúncias ocorreram três dias após Ancara ter expulsado o embaixador de Israel, diante da recusa de Tel-Aviv em se desculpar pela ação que matou nove turcos que integravam a flotilha de ajuda a Gaza atacada por forças israelenses em 2010.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores de Israel, os passageiros tiveram de esperar até 90 minutos para conseguir entrar na Turquia. A empresária israelense Hayuta Leibovich afirmou que esse processo costuma durar 15 minutos, normalmente.

Outra israelense, que não se identificou, contou que teve de tirar as roupas durante a revista que sofreu, juntamente com outras 20 pessoas. Turcos que chegaram a Tel-Aviv ontem fizeram denúncias de constrangimentos similares.

Um funcionário do aeroporto de Istambul disse que a ação contra os israelenses é ordem do Ministério do Exterior da Turquia e está sendo realizada "de acordo com princípios de reciprocidade". "Trataremos os israelenses da mesma maneira que os turcos são tratados em Israel", declarou Ahmet Aydin.

O jornal israelense Haaretz afirmou que há cerca de um ano o constrangimento contra os turcos é recorrente em Tel-Aviv. Segundo fontes da chancelaria de Israel, dezenas de denúncias de humilhação por parte das autoridades de Israel foram registradas por turcos no período. Além dos questionários a que passageiros de todas as nacionalidades são submetidos ao pisar em Israel, quase todos os turcos têm de tirar a roupa durante as revistas, de acordo com o jornal.

Ancara disse ontem que apoiará o reconhecimento do Estado palestino na ONU e deu dois dias para diplomatas israelenses saírem da Turquia. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.