Israelenses e palestinos avançam nas negociações

Apesar de a violência persistirno Oriente Médio e os dois lados continuarem se acusando pelashostilidades, altos funcionários de Israel e da AutoridadePalestina (AP) obtiveram avanços, nesta quarta-feira, em uma reunião para aadoção de medidas com vistas ao relaxamento da tensão. Elasincluem a reconstrução do aeroporto internacional de Gaza, cujapista foi destruída recentemente por buldôzeres israelenses, e olevantamento de restrições à passagem de palestinos na fronteiraentre a Faixa de Gaza e o Egito (onde muitos moradores desseterritório trabalham). O diálogo chegou a decisões de maior amplitude: um acordosobre um documento para a reativação das negociações de paz. Odocumento de quatro pontos é parecido com o plano do chancelerShimon Peres divulgado pelo diário israelense Yedioth Ahoronotem dezembro. Entre os tópicos está o congelamento de construçõesnos assentamentos judaicos e o reconhecimento de um Estadopalestino. Os conflitos persistiam, porém, na Faixa de Gaza e naCisjordânia, territórios ocupados pelos israelenses em 1967. OExército de Israel invadiu o vilarejo cisjordaniano de Azzoun,numa área sob controle militar israelense e civil palestino, aosul de Nablus, e prendeu 18 ativistas da Fatah, a organização aque pertence o presidente da AP, Yasser Arafat. Cerca de 300soldados entraram na localidade de madrugada e revistaram casapor casa, retirando-se cinco horas depois, disseram líderes daAP. Israel acusa membros da Fatah de participarem de ataquesarmados contra colonos judeus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.