Israelenses e palestinos tentam acordo de paz não oficial

Neste domingo, 2 milhões de famílias judias de Israel devem receber em casa um documento de 47 páginas com explicações sobre o Acordo de Genebra, um plano não oficial de paz para a relação conflituosa entre Israel e os palestinos. A idéia dos autores do documento, que inclui ex-negociadores palestinos e israelenses, é conseguir apoio à proposta.O plano propõe a criação do Estado Palestino em quase todo o território capturado por Israel durante a guerra de 1967, incluindo lugares sagrados de Jerusalém. Em troca, os palestinos desistiriam do direito de trazer de volta ao território os milhares de refugiados palestinos e seus descendentes que vivem em outros países da região. O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, é um opositor veemente do plano, mas suas idéias ganharam amplitude em Israel, gerando um debate público.Cerca de 2 milhões de famílias falantes de hebraico recebem o documento neste fim de semana. Depois, cópias em árabe e em russo serão distribuídas para outras comunidades. Do lado palestino, onde o serviço de correios é esporádico, os detalhes do acordo serão publicados nos jornais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.