Israelenses e sírios tiveram encontro não-oficial, diz jornal

Negociadores de Israel e Síria mantiveram conversas secretas entre 2004 e 2006 e elaboraram um documento que poderia servir como base para um futuro acordo de paz, disse a edição desta terça-feira do jornal Ha´aretz.De acordo com a reportagem, o contato entre os representantes não-oficiais dos dois países teria começado em setembro de 2004, por iniciativa do presidente sírio, Bashar al-Assad. Na ocasião, o então premier israelense, Ariel Sharon, e seu sucessor, Ehud Olmert, teriam aceitado a negociação.No entanto, autoridades israelenses afirmaram que Olmert e Sharon não souberam das supostas discussões, que, segundo o jornal, aconteceram na Europa. "É a primeira vez que ouvimos falar das conversas, nunca sancionamos ninguém para falar com os sírios e o premier acabou de saber das conversas pelo jornal", disse Miri Eisin, porta-voz de Olmert.O documento, que teria sido elaborado em agosto de 2005, foi atualizado diversas vezes e não está assinado, disse o Ha´aretz. O texto prevê que Israel devolva à Síria as Colinas de Golã, uma área de aproximadamente 1.100 quilômetros quadrados, e fique com o controle das águas do lago de Tiberíades e do rio Jordão.Em Damasco, uma autoridade síria disse que "não houve negociações". De acordo com a fonte, "o relato do Ha´aretz é completamente falso". Um ex-funcionário não identificado do antigo escritório de Sharon também desmentiu categoricamente os contatos com representantes sírios.A Síria vem publicamente pressionando Israel para voltar a conversar sobre o futuro das Colinas de Golã. As últimas conversas entre os dois países ocorreram em 2000. O documento obtido nos supostos encontros poderia ajudar a discutir a paz entre os dois países, que se mantêm em estado de beligerância desde 1948.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.