Israelenses erguem tenda em Hebron e reivindicam casa

Colonos israelenses ergueram uma Sukkah, uma tenda temporária, para marcar o festival da colheita dos judeus em frente a uma casa contestada na cidade de Hebron, na Cisjordânia. Algumas centenas de colonos vivem em vários enclaves pesadamente fortificados na tensa cidade de 170 mil palestinos, que veem cada nova construção dos colonos com alarme.

HEBRON, Agência Estado

24 de setembro de 2013 | 13h53

Meses de disputas sobre a casa no centro de Hebron tiveram uma reviravolta na segunda-feira, quando o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em resposta ao assassinato de um soldado israelense naquela cidade no dia anterior, afirmou que os colonos devem ter permissão para entrar na casa.

O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, deu sua aprovação, mas novas permissões são necessárias antes de os colonos poderem entrar no local, segundo Ofer Harel, assessor do ministro. Os colonos são céticos com relação às promessas de Netanyahu.

Para reforçar a reivindicação, os colonos ergueram uma Sukkah em frente à casa e penduraram nela um cartaz onde se lia, em referência à casa em frente: "Nós pagamos por ela. Nós a compramos. É nossa." Os colonos ocuparam brevemente a casa no ano passado, dizendo que a haviam comprado dos palestinos, mas o exército os retirou do local.

O grupo israelense contrário aos assentamentos Peace Now afirmou que a construção tem mais de 12 proprietários palestinos que estão contestando a reivindicação dos colonos.

Autoridades da Palestina acusam Netanyahu de minar as recentemente retomadas negociações de paz com sua decisão de promover o assentamento judeu em Hebron, que é a maior cidade palestina na Cisjordânia. As negociações haviam recomeçado no fim de julho, depois de uma suspensão de cinco semanas.

"Netanyahu quer acabar com as negociações de paz ao continuar construindo na nossa terra e ele está procurando um pretexto para responsabilizar os palestinos pelo fracasso delas", disse Nimr Hamad, consultor do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

Enquanto isso, também no centro de Hebron, soldados israelenses lançaram granadas e balas de borracha para dispersar dezenas de palestinos que atiravam pedras contra eles. Esses conflitos são frequentes na cidade, especialmente em períodos de tensão elevada. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
CISJORDÂNIACOLONOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.