Israelenses exigem fim de espionagem dos EUA

Autoridades repudiam programa americano, que interceptou e-mails de ex-líderes do país

Agência Estado,

22 de dezembro de 2013 | 12h04

Ministros israelenses exigiram neste domingo, 22, que os Estados Unidos parem de espionar Israel, após revelações de que a Agência de Segurança Nacional (NSA) interceptou e-mails dos escritórios de ex-líderes do país.

Esta foi a primeira vez que autoridades israelenses expressaram raiva desde que detalhes dos programas de espionagem norte-americanos começaram a ser revelados pelo ex-analista da NSA Edward Snowden. Israel aproveitou o escândalo para pedir novamente a libertação de Jonathan Pollard, um ex-analista do serviço de inteligência norte-americano que está preso há mais de três décadas nos EUA, acusado de ser espião a serviço de Israel.

"Isso não é legítimo", disse o ministro israelense de Inteligência, Yuval Steinitz. Ele pediu que os dois países cheguem a um acordo sobre espionagem.

"É bem constrangedor algo assim entre países que são aliados", disse o ministro do Turismo", Uzi Landau. "Este é um momento melhor do que qualquer outro para Jonathan Pollard ser solto."

Documentos vazados por Snowden e publicados por The Guardian, Der Spiegel e The New York Times na semana passada revelaram que a agência britânica de inteligência GCHQ trabalhou com a NSA de 2008 a 2011 para interceptar e-mails que pertenciam aos gabinetes do então primeiro-ministro, Ehud Olmert, e do ministro de Defesa, Ehud Barak.

Amir Dan, porta-voz de Olmert, minimizou as revelações. Segundo ele, o e-mail alvo de espionagem não era usado para comunicações importantes. (Fonte: Associated Press)

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelEUAespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.