Israelenses impediram socorro a doente, dizem palestinos

Vítima de um enfarte, uma mulher palestina de 55 anos não pôde ser internada a tempo em um hospital de Ramallah e morreu por causa dos atrasos impostos pelos soldados israelenses em um posto de fronteira, disseram fontes palestinas. De acordo com elas, Mariam Tamimi, mãe de oito filhos, seguia do povoado de Nabi Salih para um hospital de Ramallah, acompanhada por alguns familiares. Porém, ao longo do trajeto, o grupo foi detido duas vezes em postos de segurança israelenses. Ainda segundo as fontes, de nada serviram as explicações dos parentes da mulher, que informaram aos soldados sobre suas condições de saúde e a urgência de sua internação. Quando os familiares conseguiram chegar ao hospital, ela já estava morta. O diretor do Hospital de Ramallah, Husni Al Atari, confirmou que a mulher sofreu um enfarte e que poderia ter sido salva se conseguisse se internar a tempo. Desde o início dos bloqueios dos territórios ocupados - impostos pelo Exército de Israel após o início da nova intifada, em 28 de setembro de 2000 -, pelo menos outros 16 palestinos perderam a vida por não terem chegado a hospitais a tempo, devido aos atrasos provocados pelos soldados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.