Israelenses matam menino e militante palestino em Gaza

Um garoto de 12 anos e oguarda-costas de um líder da Jihad Islâmica foram mortos hoje num ataque de mísseis desferido por helicópterosisraelenses contra um carro na Cidade de Gaza. Dez pessoas ficaram feridas, três em estado crítico, na ataquepela manhã contra o veículo numa movimentada rua de Gaza. Omenino morto e os feridos apenas passavam pela rua quando oshelicópteros atacaram. Segundo policiais palestinos, doishelicópteros sobrevoaram o Peugeot e dispararam pelo menos ummíssil. Testemunhas também ouviram o estrondo da barreira do somsendo quebrada por jatos F-16 sobre Gaza. O Exército de Israel anunciou num comunicado que havia"alvejado um alto terrorista da Jihad Islâmica responsável pelamorte de soldados e que estava ativamente envolvido noplanejamento de mais ataques". O ataque matou Aziz Mahmoud al-Shami, um destacadoguarda-costas e primo do líder do grupo, Abdullah Shami, segundofontes no Hospital Shifa, de Gaza. Abdullah Shami, o líder daJihad Islâmica, não estava no veículo. Logo depois do ataque,ele disse à Associated Press que o grupo vai se vingar. "A Jihad Islâmica é um movimento de resistência e iráresponder à agressão com toda sua força", advertiu AbdullahShami. O ataque também matou Tarek Sousi, 12 anos, que estava acaminho da escola, e feriu dois outros meninos que oacompanhavam. Também hoje, quatro homens foram indiciados num tribunalmilitar palestino acusados de terem plantado os explosivos quedestruíram um carro diplomático dos EUA em outubro na Faixa deGaza, matando três guardas de segurança americanos. Autoridades dos EUA pressionavam os palestinos paraencontrarem os culpados pelo ataque e expressavam desapontamentocom o nível de cooperação da polícia palestina. Recentemente,oficiais americanos ameaçaram diminuir ou cancelar programas deajuda aos palestinos caso não houvesse progressos nainvestigação. Promotores militares disseram que os homens plantaram bombasna estrada visando alvejar tanques israelenses, mas um dosexplosivos pode ter destruído o carro diplomático dos EUA em 15de outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.