Itália aprova manutenção de tropas no Afeganistão

Votação ainda precisa ser levada à Câmara dos Deputados; país pode retirar militares do Líbano e da Líbia

AE, Agência Estado

27 de julho de 2011 | 13h08

Soldados carregam caixão com corpo de militar italiano morto segunda no Afeganistão

 

ROMA - O Senado da Itália votou nesta quarta-feira, 27, e aprovou a manutenção do contingente de 4,2 mil soldados que o país mantém no Afeganistão. Roma decidiu, porém, reduzir o número de militares que servem no Líbano e na operação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra a Líbia.

 

Aliados conservadores da coalizão de governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi são contrários à participação da Itália nas operações de bombardeio e bloqueio naval contra a Líbia, temendo que a guerra civil no país do norte da África aumente a imigração clandestina na Itália.

 

O ministro da Defesa afirmou que o contingente italiano no sul do Líbano, atualmente de 1,7 mil soldados, poderá ser reduzido, após soldados terem sido atingidos pela explosão de uma bomba na região.

 

Se a legislação aprovada hoje no Senado passar na Câmara dos Deputados, a Itália retirará 700 soldados do Líbano a partir de 2012 e cerca de 900 militares da operação na Líbia.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaAfeganistãoOtanLíbano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.