AP Photo/Salvatore Cavalli
AP Photo/Salvatore Cavalli

Itália autoriza cargueiro dinamarquês com imigrantes a atracar na Sicília

Os imigrantes tinham sido resgatados na sexta-feira na costa da Líbia pelo navio que alterou sua rota para socorrê-los

O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2018 | 22h27

ROMA - O porta-contêiner dinamarquês "Alexander Maersk" - com 108 emigrantes a bordo resgatados na sexta-feira na costa líbia - foi autorizado nesta segunda-feira à noite a entrar em Pozzalo, depois de três dias de espera em frente a esse porto do sul da Sicília, constatou a France Presse.

O navio entrou esta noite no porto, ajudado por um rebocador. Na sexta-feira, o barco havia alterado a sua rota para socorrer 113 pessoas em frente à costa da Líbia. No sábado, cinco delas - incluindo quatro crianças e uma mulher grávida - foram desembarcados na Sicília. 

A ministra dinamarquesa de Imigração e Integração, Inger Stjøberg, disse nesta segunda-feira que pensava em enviar uma carta a Matteo Salvini, ministro italiano do Interior, para pedir que ele atuasse para que os emigrantes não permanecessem mais tempo no barco. 

+ Itália tem plano para deportar 100 mil imigrantes

Salvini, que também é vice-primeiro-ministro e líder do partido de extrema direita Liga, insistiu nesta segunda-feira que não autorizará mais barcos de ONGs estrangeiras que tenham resgatado emigrantes em frente à Líbia a atracar em portos italianos.

Os barcos da Guarda Costeira italiana foram autorizados a atracar para que os emigrantes auxiliados desembarquem. 

Entretanto, foi a primeira vez que um navio mercante, - que a Guarda Costeira solicitou intervenção para socorrer emigrantes - ficou bloqueado em frente a um porto esperando ordens das autoridades marítimas italianas.

Aquarius. A Itália e Malta não permitiram no início do mês que o navio Aquarius, da ONG francesa SOS Méditerranée, com 629 imigrantes resgatados  na costa da Líbia, atracasse em seus portos. O navio ficou à deriva no Mediterrâneo depois que o ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, declarou que “a Itália começa a dizer não ao tráfico de seres humanos” e à imigração ilegal, em mensagem nas redes sociais. Após um impasse diplomático, a Espanha recebeu o navio com os imigrantes. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.