Itália autoriza reunião antiglobalização em Florença

O governo italiano autorizou a realização de uma reunião de protesto contra a globalização em Florença, apesar de temores de que os tesouros artísticos da cidade corram perigo, caso as manifestações se transformem em atos de violência.A decisão foi tomada depois de uma reunião de gabinete, e pôs fim a dias de incertezas sobre a realização do encontro, que ocorrerá entre 6 e 10 de novembro e que deverá atrair cerca de 100.000 pessoas de toda a Europa.O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, havia dito no início desta semana que a decisão do prefeito de Florença de aceitar a reunião era "arriscada" e indicou ser contrário à reunião porque "certamente alguns participantes provocarão atos de vandalismo".Mesmo assim, o ministro das Relações com o Parlamento, Carlo Giovanardi, anunciou que o gabinete decidiu dar luz verde à reunião.A decisão do governo foi baseada em uma recomendação do Comitê Nacional de Ordem e Segurança, segundo a qual o cancelamento do ato enfureceria os manifestantes e representaria uma ameaça ainda maior, já que a reunião seria transferida para outra cidade.O governo garantiu hoje que intensificará as medidas de segurança para evitar a repetição da violência que marcou a cúpula do Grupo dos Oito (G-7 mais a Rússia) no ano passado em Gênova, onde dois dias de choques entre policiais e manifestantes deixaram um rastro de destruição, principalmente em bancos, lojas e ruas. Em um dos conflitos, um manifestante morreu enquanto atacava uma patrulha policial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.