Itália: centro-esquerda avança em eleição municipal

Partidos da centro-esquerda, aliados aos verdes, avançaram com força para o segundo turno em grande parte das 768 prefeituras onde ocorreram eleições na Itália no domingo e na segunda-feira, informou a agência Ansa, ao citar contagens parciais dos votos. A centro-esquerda ou até mesmo a esquerda parecem na iminência de conquistar as Prefeituras de Palermo, Gênova e Parma no segundo turno. Se nenhum candidato obtiver mais de 50% dos votos, ocorrerá segundo turno no dia 20 de maio. A participação do eleitorado foi de 66,9% e ficou abaixo dos 73,7% de participação da última eleição. Cerca de 7,1 milhões de italianos votaram ontem e hoje, ou 15% do eleitorado total do país. Roma, Milão, Turim e Nápoles elegeram os prefeitos no ano passado.

AE, Agência Estado

07 Maio 2012 | 15h59

"Tivemos uma derrota nessa eleição. Pagamos um preço que sabemos pagar pelo bem da Itália. Mas não foi uma derrota total", disse Angelino Alfano, secretário-geral do Partido Povo da Liberdade (PDL, na sigla em italiano), de centro-direita e do ex-premiê Silvio Berlusconi. Alfano disse que o partido pagou o preço porque apoiou e apoiará até 2013 o governo do primeiro-ministro tecnocrata Mario Monti, que adotou fortes medidas de austeridade.

A Liga do Norte, partido de direita recentemente abalado por um escândalo de corrupção, só conseguiu eleger o prefeito de Verona, Flávio Tosi, com 55,7% dos votos no primeiro turno. Projeções feitas pelos institutos de pesquisa para a emissora estatal de televisão, RAI, indicam que haverá segundo turno em Gênova, onde o candidato de centro-esquerda Marco Doria obteve 46,5% dos votos (o candidato de centro-direita Enrico Musso obteve 16%); Palermo, capital siciliana onde o candidato de esquerda Leoduca Orlando (do partido Itália dos Valores) obteve 46% dos votos; e Parma, onde o candidato da centro-esquerda Vincenzo Bernazzoli conquistou 35,9% dos votos e seu adversário da centro-direita, Federico Pizzarotti, ficou com 19,9%.

Em Palermo, Orlando poderá enfrentar no segundo turno o candidato da centro-esquerda, Fabrizio Ferrandelli, que tinha nesta segunda-feira 16% dos votos. O candidato da centro-direita siciliana Massimo Costa obteve 15,4 dos sufrágios, segundo contagem parcial, e não deverá ir para o segundo turno.

"Os dados mostram que existe uma forte crise na centro-direita e no PDL, que em alguns municípios caíram para 10% dos votos, e também na Liga do Norte", disse Davide Zoggia, secretário para as prefeituras do Partido Democrático (PD), o maior da centro-esquerda.

As informações são da agência Ansa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.