Giuseppe Lami/ANSA via AP
Giuseppe Lami/ANSA via AP

Itália cobriu estátuas nuas para visita do presidente iraniano

As imagens de tapumes brancos cobrindo as estátuas dos Museus Capitolinos que o presidente iraniano visitou estão hoje nos jornais locais e provocaram polêmica entre políticos

O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2016 | 14h39

ROMA - As estátuas com nudez, como as Vênus da época romana, que estavam no percurso feito ontem pelo presidente do Irã, Hassan Rohani, durante sua visita aos Museus Capitolinos de Roma, foram cobertas por respeito ao líder, informou nesta terça-feira, 26, a imprensa italiana.

As imagens de tapumes brancos cobrindo as estátuas do museu que o presidente iraniano visitou estão hoje nos jornais locais e provocaram alguma polêmica entre os políticos.

Segundo o jornal Il Messaggero, a delegação iraniana pediu que as Vênus desnudas e outras estátuas fossem cobertas por respeito a sua cultura, assim como também pediram uma mudança na "cenografia" da sala dos Museus Capitolinos, onde Rohani e o primeiro-ministro, Matteo Renzi, falaram com a imprensa após sua reunião.

Segundo este jornal de Roma, a comitiva iraniana não gostaria que aparecesse a enorme escultura equestre em bronze de Marco Aurélio, a grande joia dos museus, mas ela não foi coberta.

A decisão de ocultar as estátuas foi criticada por alguns políticos, como o líder da Liga Norte, que qualificou de "coisas de loucos" cobrir parte da história da arte italiana.

"Cobrir as estátuas dos Museus Capitolinos para a visita de Rohani é uma prova de muita atenção que não pode ser compartilhada. O respeito a outras culturas não pode e não deve representar a negação da nossa", declarou Luca Squeri, deputado do Forza Itália.

Os jornais italianos também destacaram hoje que também não foi servido vinho durante o jantar que a Itália ofereceu à delegação iraniana.

Rohani visitou ontem a área arqueológica dos Foros Imperiais e uma parte dos Museus Capitolinos, e amanhã entrará no Coliseu, acompanhado do ministro de Cultura da Itália, Dario Franceschini.

Além da polêmica com as estátuas, a visita de Rohani também despertou protestos de ativistas. Em frente ao panteão, manifestantes fizeram um protesto contra a visita e as execuções conduzidas em seu país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.