Itália convoca embaixadora de Cuba para criticar Fidel

O ministério italiano de Relações Exteriores convocou a embaixadora de Cuba para expressar-lhe "profunda indignação" pelas ofensas dirigidas pelo presidente Fidel Castro contra o primeiro-ministro Silvio Berlusconi. O secretário-geral do ministério, Giuseppe Baldocci, disse à embaixadora de Cuba na Itália, Angeles Flores Prida, que as expressões usadas pelo governante cubano foram inusitadas, e consideradas inaceitáveis pelo governo e pela maioria das forças políticas italianas. Além disso, deplorou que se tenha realizado uma manifestação de protesto de proporções maciças diante da embaixada italiana em Havana. Baldocci pediu à embaixadora cubana que lembre às autoridades de seu país "as responsabilidades que têm em relação à segurança de nossa sede diplomática, ao pessoal em serviço e aos numerosos compatriotas que se dirigem a Cuba em viagem de trabalho ou turística". Destacou que quando há desentendimentos é necessário recorrer ao "diálogo, recurso do qual Cuba parece ter-se esquecido". Fidel chamou os primeiros-ministros espanhol, José María Aznar, e italiano, Silvio Berlusconi, de ?fascistas e bandidos?. Falando pelo canal 5 de televisão, o chanceler Franco Frattini disse ter convocado a embaixadora para expressar "a indignação do governo italiano diante deste comportamento". "As frases de Fidel Castro são frases ameaçadoras. Ele chegou a dizer que ´estes embaixadores poderiam não contar mais com nossa aceitação´ ". "Está claro que nosso governo deve atuar e a Europa, também", prosseguiu Frattini, advertindo que tratará do tema no conselho de chanceleres da UE que ocorrerá em Luxemburgo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.