Itália convoca reunião de emergência com Tunísia para discutir crise de imigração

Mais de 15 mil pessoas chegaram à ilha italiana de Lampedusa desde janeiro, com início de rebeliões em países árabes.

David Willey, BBC

23 de março de 2011 | 09h48

Imigrantes chegaram em botes e barcos desde janeiro

A Itália convocou uma reunião de emergência com o governo da Tunísia, nesta quarta-feira, para discutir a crise gerada pelo fluxo de imigrantes que tem chegado à ilha italiana de Lampedusa, no Mar Mediterrâneo.

Mais de 15 mil imigrantes ilegais - a maioria da Tunísia, mas também líbios e marroquinos - chegaram à ilha desde janeiro, quando começou a onda de rebeliões nos países árabes.

O ministro do Interior da Itália, Roberto Maroni, chega à Tunísia nesta quarta-feira para a reunião.

De acordo com o Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), as tensões entre imigrantes e a população local da ilha estão aumentando e há "caos e desorganização" em Lampedusa.

Imigrantes descalços podem ser vistos vagando pelas ruas da ilha, procurando algum lugar para dormir.

Autoridades italianas enviam todos os dias grupos de imigrantes para centros de processamento na Sicília ou no resto do país, mas novos grupos continuam chegando à ilha, superando a capacidade das autoridades de enviá-los para outros lugares.

E, nesta quarta-feira, o cargueiro italiano San Marco deve começar também a levar mais grupos de imigrantes para fora de Lampedusa em direção a outras regiões do país. O cargueiro tem capacidade de levar até 700 passageiros por viagem.

A população de Lampedusa durante o inverno é, em ocasiões normais, de apenas cinco mil pessoas. A economia da ilha tem como base o turismo e a pesca.

Mas, com o fluxo de imigrantes do norte da África, a população dobrou e o prefeito de Lampedusa busca desesperadamente ajuda para aliviar a pressão sobre os recursos limitados da ilha.

O governo italiano já pediu a todas as regiões do país para se prepararem para receber parte dos imigrantes. Muitos destes imigrantes querem se encontrar com outros membros de suas famílias, que já se estabeleceram em outros países da União Europeia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.