Itália dá último adeus a seus 19 heróis

Dos Alpes à Sicília, a Itália parou hoje(18) num clima de grande consternação para se despedir dos 19soldados mortos no atentado a bomba da semana passada contra abase militar italiana de Nassíria, Iraque - a maior baixasofrida pelas Forças Armadas italianas desde o fim da 2ª GuerraMundial. Em um ato religioso, celebrado pelo cardeal Camillo Ruini naBasílica de São Paulo e televisionado para todo o país, oprimeiro-ministro Silvio Berlusconi, lamentou profundamente oepisódio, mas deixou claro: o contingente italiano de 3 milhomens continuará em território iraquiano. O presidente CarloAzeglio Ciampi também estava presente à cerimônia. A grande maioria dos italianos repudiou a invasão do Iraque,mas o país acabou dividido em relação ao envio de soldados àregião. E mesmo depois do atentado, uma pesquisa revelou quecerca de 50% ainda acham que os italianos devem continuar nopaís árabe. Quase todos os 20 italianos feridos no atentado assistiramaos funerais. "Nem mesmo os terroristas assassinos devem desviaros cristãos de amar a Deus", disse o cardeal Ruini em suahomilia. "Não vamos fugir deles, mas encará-los com nosso valor,energia e determinação, sem odiá-los... Vamos fazê-loscompreender que a Itália está comprometida com a coexistênciahumana e há espaço e dignidade para todos os povos, culturas ereligiões", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.