Itália defende proposta para reformar CS da ONU

A Itália buscou hoje um amplo consenso para expandir o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), ao mesmo tempo que alertou que os esforços de quatro potências regionais para reformar o CS, Alemanha, Brasil, Japão e Índia, estão fadados ao fracasso.

AE, Agência Estado

16 de maio de 2011 | 18h19

O governo italiano hospedou um encontro de um dia com diplomatas e representantes de 123 países. O objetivo da Itália é que o número dos membros permanentes do CS da ONU seja expandido, mas que os novos integrantes não sejam permanentes, embora possuam poder de veto. A proposta de expansão com integrantes rotativos da Itália entra em choque com a proposta de expansão defendida pelas quatro potências regionais, as quais querem cadeiras permanentes no CS da ONU.

A China e os Estados Unidos, dois dos cinco integrantes permanentes do CS (Estados Unidos, Rússia, China, França e Grã-Bretanha) enviaram representantes a Roma. Em discurso feito no encontro, o chanceler da Itália, Franco Frattini, sugeriu que o seu governo está aberto ao compromisso e apoiará uma nova cadeira que represente a União Europeia (UE), mesmo que dois países do bloco, França e Grã-Bretanha, já possuam cadeiras permanentes no Conselho. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
CSONUreformaItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.