Itália dissolve a Prefeitura de Reggio Calabria

O governo italiano dissolveu a atual administração da Prefeitura de Reggio Calabria, capital da província de mesmo nome, após um vereador ter sido preso e acusado de pertencer a um grupo da máfia calabresa, a ''Ndrangheta. A ministra do Interior, Anna Maria Cancellieri, disse que a decisão foi tomada para evitar qualquer "contágio" no governo da cidade. Ela ressaltou que foi a primeira vez que a administração de uma Prefeitura inteira de uma capital de província foi dissolvida na Itália por suspeita de associação mafiosa.

AE, Agência Estado

09 de outubro de 2012 | 18h38

O vereador Giuseppe Plutino, segundo a agência Ansa, foi suspenso e preso em dezembro do ano passado, acusado de favorecer os negócios de uma família que seria da ''Ndrangheta, a Caridi.

A dissolução da administração de Reggio Calábria foi um "ato de sofrimento", disse Cancellieri. "Foi um ato difícil, mas temos a vontade de levar a Itália novamente à legalidade. Sem legalidade, não existe desenvolvimento. Por isso, devemos ajudar as regiões mais comprometidas" pela atuação do crime organizado, disse.

Segundo ela, a cidade com 180 mil habitantes e terceira maior do sul da Itália após Nápoles e Bari, será administrada por três conselheiros nos próximos 18 meses, até serem realizadas eleições - o governador da província de Crotona, também na Calábria, Vincenzo Pânico; o vice-prefeito de Reggio, Giuseppe Castaldo; e o inspetor de finanças, Dante Piazza.

As informações são da Associated Press e da Agência Ansa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.