Itália diz enfrentar campanha de difamação de seu governo

Gabinete de Berlusconi jura defender a reputação e os interesses do país em meio a crise interna

Reuters

26 de novembro de 2010 | 15h17

ROMA - Os aliados do primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, juraram nesta sexta-feira, 26, defender a reputação e os interesses do país do que chamam de esquema para "prejudicar a imagem italiana no cenário internacional".

 

Um comunicado emitido pelo governo citava a cobertura de diversos veículos de comunicação internacionais de uma série de escândalos ocorridos no país como "sintomas de uma estratégia" para difamar o governo italiano.

 

Os casos citados pelo governo envolvem as investigações sobre o grupo Finmeccanica, o problema do lixo na cidade de Nápoles, ruínas arqueológicas mal cuidadas na Pompeia e supostos documentos a serem divulgados pelo site WikiLeaks que dizem respeito ao país.

 

O chanceler Franco Frattini disse que entre os documentos que devem ser divulgados pelo site "pode haver fatos que afetarão a posição da Itália como um agente internacional".

 

O governo de Berlusconi tem enfrentado uma crise há meses devido aos escândalos em que seus membros, inclusive o próprio premiê, se envolvem. Além disso, a enfraquecida economia italiana é outro fator preocupante para a situação. Berlusconi será submetido a um voto de confiança no Congresso no próximo dia 14. Se não receber apoio o suficiente, convocará novas eleições.

 

O comunicado, emitido depois de uma reunião ministerial, informa que Frattini falou ao gabinete de Berlusconi sobre "problemas delicados" e sobre a necessidade de se "agir com firmeza e determinação para defender a imagem nacional e proteger os interesses econômicos e políticos do país".

 

O comunicado, porém, não esclarece quem estaria por trás da estratégia de difamação. Um assessor de Frattini disse que não há evidências de uma conspiração, mas que a cobertura negativa da mídia sobre o governo italiano aparentemente sofre influência do "interesse de outros países", sem dar detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.