Itália e Reino Unido liberam fundos para rebeldes líbios

A Itália e o Reino Unido anunciaram nesta quinta-feira a liberação de fundos para os rebeldes da Líbia. O governo de Roma concordou em descongelar 350 milhões de euros (US$ 505 milhões) em fundos da própria Líbia mantidos em bancos italianos, anunciou o primeiro-ministro Silvio Berlusconi em entrevista coletiva ao lado do líder do Conselho Nacional de Transição (CNT) da Líbia, Mahmoud Jibril. O governo interino líbio informou ainda que mudará sua capital de Benghazi para Trípoli.

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2011 | 09h13

Jibril disse que o dinheiro ajudará a garantir a urgente necessidade da nova administração por fundos, bem como a retomada na exploração dos setores de combustíveis e gás. Berlusconi descreveu o montante como uma primeira parcela da liberação, porém a Itália não informou quanto mantém de ativos líbios. A Líbia já foi uma colônia italiana e Roma é o principal parceiro econômico de Trípoli.

Em Londres, o ministro das Relações Exteriores britânico, William Hague, afirmou nesta quinta-feira que cerca de US$ 500 milhões em ativos líbios congelados devem ser liberados para financiar atividades humanitárias no país. A liberação será feita após o governo da África do Sul rever sua oposição ao plano.

Os Estados Unidos já propuseram nas Nações Unidas a transferência de cerca de US$ 1,5 bilhão para a Líbia financiar sua atividade humanitária. Mais cedo nesta quinta-feira, porém, a África do Sul recusava-se a liberar ativos para a Líbia antes de a ONU reconhecer a liderança rebelde, enquanto continua a batalha entre forças de Kadafi e os oposicionistas, iniciada em fevereiro. Após um acordo parcial com os sul-africanos, Hague disse que o Reino Unido pretende agora "ver mais US$ 1 bilhão ser liberado" para os rebeldes. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaReino UnidoLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.