Itália é surpreendida por escândalo de escutas ilegais

A Itália está abalada com um escândalo de escutas telefônicas ilegais que envolve a empresa Telecom Itália e cujas ramificações se estenderam a numerosos setores da economia, da política e até do esporte, informou o site do jornal argentino El Clarín.Ao menos 21 pessoas já foram presas, das quais 11 são membros da polícia. Os detidos são acusados de organizar um centro de escutas ilegais que monitorava as conversas de milhares de italianos durante anos. O ministro da Justiça italiano, Clemente Mastella, ordenou nesta quinta-feira uma investigação administrativa para definir se membros do judiciário estão envolvidos nas escutas.O governo de Romano Prodi foi exortado a dar explicações sobre o caso por políticos da oposição. Prodi, que aceitou falar sobre o caso diante do senado após o dia 29 de setembro, provavelmente também dará explicações sobre o novo escândalo. Tal centro fora criado em 1997, segundo investigadores consultados pelo El Clarín, para obter informações confidenciais econômicas e políticas de milhares de pessoas, que logo seriam vendidas ou utilizadas para variados fins. Aparentemente esse sistema, criado inicialmente para controlar os empregados da Telecom Itália e da Pirelli, aumentou seu campo de atuação e passou a monitorar as conversas de políticos, homens de negócios e até de jogadores de futebol e artistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.