Itália intensifica patrulhas para deter imigração ilegal

A Itália intensificará as patrulhas para deter a imigração ilegal em suas águas no mar Mediterrâneo. Lançado nesta segunda-feira o programa Mare Nostrum contará com radares, equipamentos de visão noturna, drones, helicópteros e cinco navios de guerra. A operação visa a intimidar contrabandistas de refugiados e evitar possíveis desastres como o acidente ocorrido este mês que causou a morte de centenas de pessoas de origens eritreia, somali e síria.

AE, Agência Estado

15 de outubro de 2013 | 17h25

Nesta terça-feira, 290 imigrantes foram resgatados próximos à ilha de Lampedusa, extremo sul da Itália. Um barco de carga ainda ajudou a guarda costeira grega a salvar 73 sírios que estavam em um iate sem combustível no mar Jônico. Uma embarcação panamenha também pegou cerca de 80 pessoas que estavam à deriva no mar líbio e os levou até a Sicília.

Os contrabandistas geralmente usam embarcações de pesca para carregar os refugiados que são deixados em pequenas jangadas próximas à costa para evitar o controle da guarda costeira.

A intensificação da patrulha marítima procura evitar que pessoas arrisquem suas vidas nessa perigosa travessia. Entretanto, especialistas dizem que essas medidas podem exacerbar a mentalidade de uma "Europa Fortificada", ainda mais com o crescente sentimento anti-imigrantes de algumas regiões.

A proximidade dos países do sul da Europa com o Norte da África já fez com que a Sicília decretasse estado de emergência.

Somente este ano, 32 mil pessoas chegaram à Itália e Malta em busca de ajuda, segundo dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). A maioria dos pedidos de asilo é feita na cidade de Lampedusa, onde o pequeno centro de refugiados está constantemente sobrecarregado.

Os governantes italianos pressionam para mudar a atual lei de asilo europeia, segundo a qual o imigrante deve permanecer no país em que primeiro chegou até ter sua permissão avaliada. Segundo eles, a proximidade geográfica com países em conflito faria com que o sul da Europa se tornasse o destino mais constante. Os países do norte justificam a manutenção da legislação dizendo que eles recebem os imigrantes na maioria das vezes após aceito o pedido de asilo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.