Itália irá retirar tropas do Iraque até o fim do ano

A Itália anunciou nesta quarta-feira, 07, sua intenção de retirar até o fim do ano todos os seus soldados enviados ao Iraque, numa ação que reduzirá ainda mais o número de soldados estrangeiros ajudando o Exército dos Estados Unidos no país árabe.O ministro das Relações Exteriores da Itália, Massimo D´Alema, informou hoje, durante visita-surpresa a Bagdá, que seu país começará a reduzir já em junho sua presença militar no Iraque e a retirada estará concluída até o fim do ano.Depois do anúncio, o chanceler iraquiano, Hoshyar Zebari, assegurou que as forças locais de segurança estarão prontas para desempenhar suas funções nas áreas deixadas pelos italianos.A Itália possui cerca de 2.700 soldados na região de Nassíria, 320 quilômetros a sudeste de Bagdá. Cerca de 1.600 soldados deverão ser retirados já este mês.O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, um defensor declarado da invasão do Iraque, já havia prometido a retirada, mas esta é a primeira vez que um cronograma é divulgado.A decisão condiz com as promessas de campanha da coalizão de centro-esquerda liderada por Romano Prodi, vencedor das mais recentes eleições italianas.A Itália segue Espanha e Bulgária na decisão de retirar as tropas do Iraque. Cerca de 150.000 soldados estrangeiros encontram-se no país árabe invadido por forças lideradas por Estados Unidos e Grã-Bretanha em 2003 em busca de armas de destruição em massa que nunca vieram a ser encontradas. Cerca de 130.000 desses soldados são americanos.Enquanto isso, o primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, cumpriu hoje a promessa de libertar os primeiros 600 de um grupo de 2.000 prisioneiros mantidos em penitenciárias iraquianas. Maliki, um xiita, declarou a segurança e a reconciliação entre xiitas e sunitas como prioridades de seu governo.Ele havia anunciado na terça-feira que 2.500 prisioneiros seriam libertados, mas hoje reduziu para 2.000 o número de beneficiados com a revisão de caso. Os cerca de 1.400 detentos restantes serão libertados ao longo dos próximos dias em grupos de mais de 400 prisioneiros.Enquanto isso, pelo menos 14 pessoas perderam a vida no Iraque nesta quarta-feira em episódios de violência ocorridos em diferentes partes do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.