Marinha italiana/AP
Marinha italiana/AP

Itália precisa dos imigrantes para cobrir aposentadorias, diz autoridade 

Parar o fluxo migratório poderia causar, em cinco anos, a perda de toda a população de uma cidade tão grande quanto Turim, indicou o funcionário em uma audiência no Parlamento

O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 15h48

ROMA - A Itália precisa dos imigrantes para cobrir o pagamento das aposentadorias, alertou nesta quarta-feira,  4, o diretor do Instituto para a Previdência Social (Inps), Tito Boeri, o que irritou o ministro do Interior, Matteo Salvini, defensor de uma linha dura contra a migração.

Parar o fluxo migratório poderia causar, em cinco anos, a perda de toda a população de uma cidade tão grande quanto Turim, indicou o funcionário em uma audiência no Parlamento.

+ Luis Fernando Verissimo: Drama

A Itália, que entrou em 2015 em declínio demográfico, perdeu 100 mil habitantes nos últimos dois anos, segundo o Instituto Nacional de Estatística, fenômeno que gera preocupação em alguns setores.

Com o freio à imigração prometido pelo novo governo, parariam de contribuir para a Previdência cerca de 700 mil estrangeiros menores de 34 anos em cinco anos, ressaltou Boeri, que pediu às autoridades que garantam o fluxo migratório legal.

"Isso poderia manter o equilíbrio dos fundos de pensão", assegurou Boeri.

Tais advertências foram dirigidas ao governo de coalizão formado pela direita e xenófoba Liga, de Matteo Salvini, e os antissistemas do Movimento 5 Estrelas, que prometeu reformar o polêmico sistema previdenciário.

+ Imigrantes ilegais vivem como escravos nas colheitas da Europa

A reforma do governo custaria entre € 18 e 20 bilhões, segundo Boeri, que pede ao invés da reforma uma atualização da antiga lei, chamada Fornero, que adiou a idade de aposentadoria.

"Neste país, os jovens sempre sofrem porque, independentemente do resultado das eleições, todos os governos propõem medidas em favor dos aposentados", lamentou Boeri.

Para o diretor do Inps, a Itália precisa da força de trabalho imigrante para tarefas que os italianos não estão dispostos a cumprir, como de cuidador de idosos e trabalhadores agrícolas.

As recomendações de Boeri provocaram a ira de Salvini, que reagiu no Twitter. "Você brinca com a política e ignora o desejo de tantos italianos que querem trabalhar e educar seus filhos", escreveu ele. "Onde você mora, em Marte?", lançou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.