Itália prende "último chefão da máfia" na Sicília

O chefão da máfia Bernardo Provenzano, o homem mais procurado pela policia italiana, foi preso nesta terça-feira na cidade de Corleone, na Sicília. O grande chefão da ?Cosa Nostra?, a máfia siciliana, passou 42 anos foragido da policia, mas não estava no exterior. Ele foi preso nos arredores de sua cidade natal, Corleone, conhecida como capital da organização criminosa italiana. Considerado como o último grande chefão da máfia, Bernardo Provenzano chegou a ser definido o ?fantasma de Corleone? e tornou-se um personagem quase mitológico. Não há fotos recentes suas - a última imagem é dos anos 1960. Para ter uma idéia de como seria seu rosto atualmente, os especialistas em retrato falado envelheciam seu rosto com técnicas de informática. Provenzano é considerado o verdadeiro chefão da máfia siciliana. Além de ser procurado por associação mafiosa, ele é acusado de homicídio. Fim da linha Com sua prisão, termina uma longa fuga que começou em 1963. As últimas informações a seu respeito diziam que estava doente, com problemas nos rins. Estes problemas de saúde levaram Provenzano a se internar em duas clínicas italianas alguns meses atrás. Provavelmente estas internações deixaram pistas importantes para a polícia. Alguns mafiosos arrependidos, que colaboram com a Justiça italiana, também forneceram informações úteis para a sua captura. Por duas vezes os investigadores chegaram próximos de prendê-lo, mas o chefe da ?Cosa Nostra? sempre conseguiu escapar. Numa dessas vezes chegou a ser visto, mas não foi reconhecido. Ao ser pego pela policia, numa casa de campo, sentado à mesa com uma máquina de escrever, confirmou: ?Sim, sou Bernardo Provenzano?.

Agencia Estado,

11 Abril 2006 | 09h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.