Itália: preso político acusado de comprar votos da máfia

O comissário de Habitação e político italiano Domenico Zambetti, da região da Lombardia, foi preso nesta quarta-feira acusado de pagar 200 mil euros nas eleições regionais de 2010 para a máfia calabresa em troca de votos. A prisão de Zambetti mostrou como a máfia calabresa, a ''Ndrangheta, que tem sua sede na empobrecida Calábria (sul), estendeu seus tentáculos para o rico norte do país e formou uma forte base em Milão, capital industrial e financeira do país.

AE, Agência Estado

10 de outubro de 2012 | 15h25

Uma explosão de escândalos de corrupção, nas últimas semanas, atingiu políticos italianos em vários governos e níveis, em várias regiões do país, inclusive no mais desenvolvido norte, levando a projeções de que os italianos simplesmente ficarão em casa ao invés de votarem nas próximas eleições gerais de 2013, tamanho é o descrédito dos políticos.

O capitão da polícia paramilitar italiana, Paolo Saliani, disse que Zambetti foi acusado de corrupção, associação mafiosa e compra de votos nas eleições regionais lombardas de 2010. Em troca da entrega dos votos, além dos ? 200 mil, a ''Ndrangheta também esperava favores futuros do político na administração regional. Ao pagar o dinheiro, Zambetti comprou o equivalente a quatro mil votos (? 50 por voto) na região lombarda. O governador da região da Lombardia, Roberto Formigoni, disse que as acusações são "gravíssimas". Segundo ele, Zambetti já foi afastado do cargo.

O prefeito de Milão, Giuliano Pisapia, pediu a demissão do governador Formigoni. "Depois desse fato, não é mais possível continuar assim", disse Pisapia. Formigoni, um ex-democrata-cristão que se aliou ao ex-primeiro-ministro e magnata Silvio Berlusconi, governa a Lombardia desde 1995, tendo vencido três reeleições para governador.

Matérias dos jornais regionais da Lombardia afirmam que Zambetti é o quinto político e funcionário público preso e investigado nos últimos meses.

Na terça-feira, o governo central de Roma destituiu o prefeito e todos os 20 vereadores de Reggio Calábria, capital da província de mesmo nome, após um vereador ter sido preso acusado de associação à ''Ndrangheta. Reggio Calábria, com 180 mil habitantes e terceira maior cidade do sul da Itália após Nápoles e Bari, ficará sob intervenção durante 18 meses.

Mas os escândalos não se confinam a Reggio Calábria e a Milão, metrópole com 1,5 milhão de habitantes. No mês passado, a governadora da região do Lácio, Renata Polverini, líder regional do partido Povo da Liberdade (PDL, na sigla em italiano), de Berlusconi, foi forçada a renunciar após políticos serem acusados de usar dinheiro público para pagar festas privadas. Berlusconi, de 76 anos, descartou disputar o cargo de primeiro-ministro nas próximas eleições.

As informações são da Associated Press e da Ansa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.