Itália pressiona ONU por solução política para crise na Líbia

Itália pressiona ONU por solução política para crise na Líbia

O governo italiano pressiona a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta quinta-feira para que a instituição encontre uma solução política para a questão da segurança na Líbia, que tem se deteriorado com rapidez.

Estadão Conteúdo

18 de fevereiro de 2015 | 09h30

Em declarações ao Parlamento, o ministro de Relações Exteriores Paolo Gentiloni pediu ao mundo que "acelere seu ritmo, antes que seja tarde demais".

Nesta semana, o Egito lançou um ataque aéreo contra a Líbia, depois de o grupo Estado Islâmico ter postado um vídeo com a decapitação de 21 cristãos coptas egípcios.

Horas antes de uma reunião do Conselho de Segurança, Gentiloni disse que a ONU precisa "dobrar seus esforços" para promover o diálogo político entre os líbios, que estão divididos entre milícias que lutam entre si, facções islamitas e rivalidades tribais.

Gentiloni afirmou que a única solução para a questão líbia é política, opinião compartilhada pelo papa Francisco. Nesta quarta-feira, o pontífice pediu orações para que "a comunidade internacional possa encontrar soluções pacíficas para a difícil situação na Líbia".

Na semana passada, a Itália parecia apoiar uma intervenção militar, mas desde então o primeiro-ministro Matteo Renzi tem destacado a importância de diplomacia. A realização de uma reunião de facções líbias em Gadamés, na Líbia, em 11 de fevereiro, parece ter sido "um passo na direção certa", disse Gentiloni.

A Itália está pronta para monitorar um cessar-fogo, contribuir para esforços de paz, reparar infraestrutura e fornecer treinamento militar para que as milícias possam se integrar ao Exército regular, afirmou ele.

A Itália, de quem a Líbia foi colônia, manteve relações econômicas e políticas próximas com Trípoli durante o longo governo do ditador Muamar Kadafi, deposto em 2011.

O fato de algumas ilhas italianas estarem a algumas centenas de quilômetros da Líbia, fez com que a Itália receba uma grande quantidade de imigrantes que chegam da Líbia pelo Mar Mediterrâneo. Autoridades dizem que se o caos na Líbia aumentar o mesmo deve acontecer com o número imigrantes do país, sem esquecer os que fogem da guerra na Síria e de outros conflitos.

Autoridades italianas também temem que terroristas que apoiam o grupo Estado Islâmico possam se misturar aos imigrantes e chegar à Itália pelo mar. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.