Itália promete liberar mais 2,5 bilhões de euros à Líbia

Na sua primeira visita à Líbia desde o fim do regime de Muamar Kadafi, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse nesta sexta-feira que o governo de Roma está pronto a liberar ? 2,5 bilhões (US$ 3,4 bilhões) em ativos líbios congelados para ajudar na reconstrução do país magrebino.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2011 | 17h22

Frattini disse que a Itália tem a autorização para liberar o dinheiro para projetos de urgência na Líbia, para auxiliar o governo do Conselho Nacional de transição (CNT) que continua a lutar contra partidários remanescentes de Kadafi em três frentes.

A Itália enviou uma equipe de especialistas a Tripoli para discutirem como o dinheiro que for descongelado poderá ajudar melhor o novo governo líbio.

O primeiro-ministro interino líbio, Mahmoud Jibril, pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que retire sanções que foram impostas sobre o regime de Kadafi e permita a liberação de bilhões de dólares congelados. Alguns países, como a Itália, obtiveram aprovação para liberar dinheiro ao CNT sob uma base limitada.

"A decisão foi tomada e a autorização já existe" disse Frattini, em coletiva de imprensa com Jibril. "Agora, após o pedido dos nossos amigos líbios, somos capazes de mobilizar o dinheiro para projetos urgentes".

Itália e Líbia dividem uma longa e complicada história. Há apenas pouco mais de um ano, o primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi recebeu Kadafi com um suntuoso banquete em Roma. Berlusconi chamou Kadafi de "amigo". Mas neste ano, após a guerra civil líbia ter estourado em fevereiro, a Itália passou a apoiar os insurgentes líbios em Benghazi contra Kadafi, mais tarde se juntando às operações de bombardeio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) contra as forças do ex-governante.

A Itália foi a metrópole colonial da Líbia entre 1911 e 1943. A partir da década de 1950, os países viraram parceiros comerciais, com a Líbia fornecendo grande parte do petróleo refinado na Itália. A petrolífera italiana Eni opera na Líbia desde 1959 e é a maior petrolífera estrangeira no país do Magreb. Antes da guerra civil, a Eni produzia 273 mil barris diários de petróleo na Líbia.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.