Itália quer reforma com cadeiras rotativas no CS da ONU

A Itália iniciou um esforço diplomático maior para expandir o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), buscando o consenso para a ideia de acrescentar novos membros com poder de veto ao poderoso corpo decisório sob uma base rotativa, segundo o ministro das Relações Exteriores, Franco Frattini.

AE, Agência Estado

12 de maio de 2011 | 17h48

Dos atuais 15 membros do CS, apenas cinco são permanentes: Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França. A ideia italiana é que mais países sejam incluídos como membros do CS, com poder de veto, mas que essas cadeiras sejam rotativas entre alguns países de cada continente.

A proposta italiana entra em choque com a proposta defendida por outros quatro poderes regionais - Índia, Alemanha, Brasil e Japão. Os quatro querem ser membros permanentes do CS. Os quatro expressaram otimismo de que a reforma possa ser alcançada durante a atual Assembleia Geral da ONU, que acabará em setembro. Mas o porta-voz da chancelaria italiana, Maurizio Massari, afirmou que a Itália se opõe a qualquer nova cadeira permanente no CS. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaCSONUreforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.