Itália repudia assassinato de refém no Iraque

A Itália reagiu com horror, nesta sexta-feira, ao suposto assassinato de um refém italiano por rebeldes iraquianos, mas o governo do País afirmou que manterá sua participação militar ao lado dos Estados Unidos no Iraque. Em uma entrevista para a rádio da empresa estatal de comunicações RAI, o ministro de Relações Exteriores, Franco Frattini, disse que a morte do jornalista Enzo Baldoni é um ?ato de barbárie, uma ação terrível contra um corajoso jornalista que foi ao Iraque ajudar seu povo?. Frattini reiterou a posição do primeiro-ministro Silvio Berlusconi de não retirar as tropas italianas no país em conflito. Ainda nesta sexta, o ministro deve discursar para uma comissão parlamentar sobre o papel italiano no Iraque. Na noite de quinta-feira, a rede de TV Al-Jazeera informou ter recebido uma gravação em que sobre o suposto assassinato de Baldoni, embora tenha se negado a transmitir as imagens em respeito a seus telespectadores. ?Não há palavras para descrever este ato desumano, que com um só golpe destruiu séculos de civilização para nos levar de volta às eras de trevas da barbárie?, afirmou Berlusconi em um comunicado emitido logo que a Al-Jazeera transmitiu as informações sobre o vídeo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.