Italiano é condenado a 15 anos na Colômbia após abuso de menor

Outras duas pessoas também foram condenadas por participação nos abusos e por pornografia infantil e estímulo à prostituição

Efe

19 de agosto de 2010 | 04h12

BOGOTÁ - A Justiça colombiana condenou a 15 anos de prisão o italiano Paolo Pravisani, que foi declarado culpado pelos delitos de estímulo à prostituição, pornografia infantil e ato sexual com menor de 14 anos, informou na quarta-feira, 18, a imprensa local.

A leitura da sentença, ditada por um tribunal de Cartagena, cidade no Caribe colombiano onde ocorreram os fatos, aconteceu depois de um processo que se estendeu por 18 meses.

Também foram condenadas Hilda Martínez e Angélica Tovar, a dez anos de prisão cada uma, por participação nos abusos de Pravisani às crianças e como cúmplices de pornografia infantil e estímulo à prostituição.

O jornal El Tiempo, em sua edição digital, assinala que Pravisani insultou o advogado que defendeu às vítimas ao final da sessão.

Os acusados tinham sido declarados culpados em julho, mas só nesta quarta-feira foi lida a sentença e informado o tempo que devem permanecer na prisão.

O caso teve início em fevereiro de 2009, quando o italiano foi flagrado vestindo roupas íntimas em sua casa junto a um jovem de 14 anos, que estava nu e sofria convulsões.

O menor morreu no mesmo dia em uma clínica de Cartagena, aparentemente por overdose de drogas, principalmente cocaína.

Durante o processo, foi comprovado que o italiano contratava crianças e os levava a sua casa, em um bairro populoso da cidade, onde abusava sexualmente deles, além de tirar fotos em festas, nu e fazendo sexo.

Pravisani também tem outro processo em andamento, pelo delito de homicídio, por conta da morte do menor.

Para Lourdes Torres, mãe do menor morto, a pena foi muito curta, enquanto o advogado das vítimas, Freddy del Toro, assinalou que o importante é que a condenação não é suscetível de diminuição de pena.

Tudo o que sabemos sobre:
Itália, Colômbia, menor, abuso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.