Italianos votam em referendo sobre energia nuclear

Eleitores também decidirão sobre imunidade de ministros e privatização do saneamento.

Duncan Kennedy, BBC

12 de junho de 2011 | 13h48

Os italianos vão às urnas neste domingo para votar em quatro referendos distintos. O mais importante deles decidirá se a Itália investirá em energia nuclear.

Ativistas contra usinas nucleares afirmam que o desastre na planta japonesa de Fukushima ajudou a convencer a opinião pública sobre os riscos deste tipo de atividade.

Os referendos também estão sendo vistos como um teste sobre a popularidade do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, diante do recente escândalo sexual.

O programa nuclear italiano foi abandonado em 1987, depois do desastre em Chernobyl. No entanto, o governo afirma que a indústria nuclear é fundamental para gerar cerca de 20% da eletricidade do país até 2020.

O desastre em Fukushima, causado pelo terremoto e tsnunami no Japão em março, mudou a percepção geral na Itália.

Segundo Salvatore Barbera, do Greenpeace, o povo italiano agora enxerga a necessidade de se votar contra as usinas nucleares no referendo.

"Esta tecnologia é velha, ela é perigosa, como vimos em Fukushima", disse Barbera.

Alemanha

Para Silvio Rossignoli, da empresa fornecedora de materiais para aeronaves Sekur, só as usinas nucleares garantirão o abastecimento de energia à Itália.

"Nós queremos ter energia nuclear porque ela é ecológica e muito mais limpa do que carvão e gás", diz ele.

A Alemanha foi o primeiro país a abandonar seu programa de energia nuclear depois do acidente em Fukushima.

Além da decisão sobre energia nuclear, os italianos também responderão no referendo de domingo a duas perguntas sobre privatização de empresas de saneamento.

A última pergunta no referendo é sobre a imunidade de ministros de Estado perante a Justiça, um caso que interessa particularmente a Berlusconi, que enfrenta quatro processos atualmente.

Os resultados dos referendos devem ser divulgados na segunda-feira.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.