AFP PHOTO / FEDERICO PARRA
AFP PHOTO / FEDERICO PARRA

Itamaraty confirma reunião para discutir suspensão da Venezuela do Mercosul

Encontro será realizado no sábado em São Paulo; debate terá como base o Protocolo de Ushuaia, que estabelece os compromissos dos países-membros com os princípios democráticos

Lu Aiko Otta, Brasília, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2017 | 12h19

O Ministério das Relações Exteriores confirmou que será realizada no sábado, em São Paulo, uma reunião de chanceleres do Mercosul para discutir a suspensão da Venezuela com base no Protocolo de Ushuaia, que estabelece os compromissos dos países-membros com os princípios democráticos.

A pasta informa que a reunião será o prosseguimento a uma primeira discussão ocorrida no dia 1.º de abril, “na qual foi constatada a ruptura da ordem democrática naquele país”, e continuada no encontro de cúpula do bloco, realizado no dia 21 em Mendoza, na Argentina.

“Os chanceleres de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai deverão avaliar a ausência de medidas concretas para a retomada da normalidade democrática por parte do governo venezuelano, sua recusa a participar da reunião de consultas e o agravamento da situação na Venezuela”, diz a nota.

Na segunda-feira, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não aceitou a oferta do Mercosul de intermediar um diálogo entre seu governo e a oposição, segundo o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. O próximo passo é a suspensão.

“Na minha opinião, essa é a consequência inevitável”, disse o ministro. “Acho que não vai ter polêmica”, avaliou. Isso porque o protocolo prevê que, numa situação de ruptura democrática, o país em questão é consultado pelos sócios. Não havendo sucesso, o passo seguinte é a suspensão.

A Venezuela está suspensa do Mercosul desde dezembro por descumprir obrigações comerciais com as quais se comprometeu quando se incorporou ao bloco, em 2012. Em abril, o grupo ratificou a medida e iniciou um processo de consultas com Caracas ao considerar que a ordem democrática tinha sido rompida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.