Itamaraty cria novo plano para retirar brasileiros do Líbano

O Itamaraty está montando na cidade da Adana, no sul da Turquia, um núcleo de apoio aos brasileiros procedentes do Líbano, Síria e Jordânia que estão fugindo da escalada de violência do conflito no Oriente Médio.O chefe do núcleo, o ministro Laudemar Gonçalves de Aguiar, que está sendo deslocado temporariamente de seu posto atual na embaixada brasileira em Londres, contará na Turquia com o apoio de dois outros diplomatas e dois funcionários. Segundo ele, um novo avião da FAB deverá trazer neste fim de semana um grupo de brasileiros do Líbano para a Adana."O núcleo já está em funcionamento e o objetivo será prestar assistência aos brasileiros que estão saindo do Líbano, seja por terra, ar ou mar", disse Gonçalves antes de embarcar nesta tarde em Londres com destino a Turquia. "Nossa expectativa é a saída de muito mais brasileiros da região do conflito, inclusive através de novos vôos da FAB."EsperaCerca de 700 brasileiros estão esperando um esquema montado pelo governo brasileiro para serem retirados do Líbano e de outros países da região por causa dos ataques israelenses ao país. Quinhentos deles já entraram em contato com o consulado de Beirute, outros 100 com a embaixada de Amã, na Jordânia e o mesmo número com a embaixada de Damasco, na Síria.O governo brasileiro só tem um avião disponível para o transporte, o chamado Sucatão da FAB, que era utilizado pelo presidente, com capacidade para 120 pessoas.O Itamaraty confirma a morte de sete pessoas, mas de acordo com informações de familiares, o número de vítimas teria chegado a dez. De acordo com o Itamaraty, três vítimas ainda não foram identificadas, portanto não podem ser confirmadas como brasileiras.O diretor-executivo da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil, Mohamed Hussein El Zoghbi, estima que existam atualmente cerca de 30 mil brasileiros - muitos deles também libaneses ou descendentes - em visita ao país no momento.Chegam os fuzileiros americanosUm grupo de 40 fuzileiros navais dos Estados Unidos desembarcou nesta quinta-feira numa praia de Beirute, pela primeira vez em 23 anos, para ajudar a retirar os milhares de cidadãos americanos bloqueados no Líbano, além de outros estrangeiros, após oito dias de bombardeios israelenses, informou a imprensa libanesa.O Departamento de Defesa dos EUA contratou um cruzeiro comercial para ajudar nas tarefas de remoção dos cerca de 25 mil americanos que estão no Líbano, com um destróier para servir de escolta.Israel iniciou uma ofensiva contra o Líbano na quarta-feira passada, depois que dois soldados israelenses foram capturados por guerrilheiros do Hezbollah na fronteira entre os países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.