Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Itamaraty diz que governo Maduro representa o crime organizado na Venezuela

Segundo chanceler brasileiro, governo venezuelano tem como base a corrupção, o narcotráfico, o tráfico de pessoas, a lavagem de dinheiro e o terrorismo

Leonencio Nossa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2019 | 00h55

Em nota divulgada na noite desta quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, destacou que o Brasil poderá apoiar um governo interino na Venezuela liderado pelo deputado Juan Guaidó e atacou o atual presidente Nicolás Maduro, no poder desde 2013. 

“O sistema chefiado por Nicolás Maduro constitui um mecanismo de crime organizado. Está baseado na corrupção generalizada, no narcotráfico, no tráfico de pessoas, na lavagem de dinheiro e no terrorismo”, ressaltou o comunicado.

A medida de legitimar um governo de Guaidó foi discutida pelo chanceler em encontros com opositores venezuelanos e representantes da Organização dos Estados Americanos (OEA), do Grupo de Lima e dos Estados Unidos.

"A reunião teve por objetivo analisar a situação na Venezuela decorrente da ilegitimidade do exercício da presidência por Nicolás Maduro e da manifestação do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, de sua disposição de assumir a presidência da Venezuela interinamente, seguindo a Constituição venezuelana", ressaltou o comunicado.

"Teve igualmente por objetivo discutir ideias de ação concreta para restabelecer a democracia na Venezuela."

No comunicado, o chanceler destacou o apoio do governo brasileiro à oposição de  Maduro. "O Brasil tudo fará para ajudar o povo venezuelano a voltar a viver em liberdade e superar a catástrofe humanitária que hoje atravessa", ressaltou.

Ernesto Araújo ressaltou, por meio da nota, que há um "genocídio silencioso" na Venezuela e, segundo opositores, 300 mil pessoas correm risco de morrer de fome no país. "Mais de 11.000 recém-nascidos perdem a vida anualmente por falta de atendimento primário pós-natal. O déficit de medicamentos é de 85%", destacou.

Ainda no comunicado, o chanceler disse que a posição do governo brasileiro e do presidente Jair Bolsonaro no movimento contra Maduro é reconhecida por lideranças da Venezuela. O papel-chave do Brasil, sob liderança de Bolsonaro, na mudança do cenário venezuelano, onde pela primeira vez em muitos anos, ressurge a esperança da democracia, foi reconhecido por todos os líderes venezuelanos."

Um dos participantes da reunião, o ex-prefeito de Caracas Antonio Ledezma pediu que o Brasil reconhecesse um possível governo de Guaidó. "Que se reconheça não apenas a Assembleia Nacional e o Tribunal Supremo de Justiça em exílio como entidades legítimas, mas aceitem também Juan Guaidó como presidente constitucional da Venezuela." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.