Itamaraty diz que voto contra ong na ONU foi "técnico"

O Ministério das Relações Exteriores disse que o Brasil seguiu parâmetros "absolutamente técnicos" ao votar a favor da suspensão da ong Repórteres sem Fronteiras dos trabalhos da Comissão de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (CDH-ONU). O porta-voz do Itamaraty, Ricardo Neiva Tavares, explicou que a delegação brasileira em Genebra recebeu essa instrução de Brasília, que considerou válidas as conclusões de que a entidade não vinha se comportando de acordo com as regras estabelecidas. "O Brasil examinou se a avaliação do desempenho da Repórteres sem Fronteiras na CDH seguiu os procedimentos corretos e se houve amplo direito de defesa", afirmou Neiva Tavares. "O voto do Brasil foi fruto de uma decisão estritamente técnica. As pessoas precisam entender que nenhuma Organização Não-Governamental está acima das resoluções que regem sua atuação nos órgãos da ONU". O porta-voz insistiu nesse caráter da decisão tomada pelo Brasil - que poderia pelo menos ter optado pela abstenção - mesmo diante do resultado da votação, que pôs o Brasil ao lado de 27 países, a maioria de ditaduras condenadas pela Repórteres sem Fronteiras por restrições às práticas democráticas e à liberdade de imprensa, e pelos abusos contra jornalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.