Itamaraty elogia fim de restrições dos EUA sobre Cuba

O Itamaraty avaliou como um "pequeno passo na direção certa" a iniciativa dos Estados Unidos de eliminar restrições a viagens e a remessas de divisas para Cuba e de permitir a presença do setor norte-americano de telecomunicações na ilha. Entretanto, as medidas anunciadas ontem pela Casa Branca não tendem a aliviar as tensões na 5ª Cúpula das Américas, que será realizada de sexta-feira a domingo, em Trinidad e Tobago. O chanceler brasileiro, Celso Amorim, disse hoje que a América Latina não abre mão de pedir ao presidente dos EUA, Barack Obama, o fim do embargo a Cuba e a reinserção do país no foro interamericano.

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

14 de abril de 2009 | 20h34

Porém, Amorim admitiu que haverá o cuidado de evitar um tom agressivo e de confrontação, para não abortar uma discussão reconhecidamente delicada e que está apenas começando. "Esse foi um pequeno passo na direção certa. O importante é que seja, realmente, um primeiro passo e que (os EUA) não esperem gestos de Cuba para poder continuar", disse Amorim, referindo-se à possível retomada o diálogo direto entre Washington e Havana.

"O presidente Obama tem revelado boas intenções de interlocução com outros países que, do ponto de vista político, estão mais afastados dos EUA que Cuba. É de se esperar que essa mesma atitude exista em relação a Cuba", afirmou o ministro, ao final da visita do chanceler de Cabo Verde, José Brito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.