AP
AP

Itamaraty elogia libertação de ativista e Nobel da Paz de Miamnar

Governo brasileiro espera que gesto impulsione estabelecimento da democracia no país

estadão.com.br,

13 de novembro de 2010 | 19h26

BRASÍLIA- O governo brasileiro expressou neste sábado, 13, satisfação com a libertação da ativista e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, de Mianmar. Dos últimos 21 anos, Suu Kyi passou os últimos 15 presa.

 

Veja também:

lista Perfil: Suu Kyi, símbolo de resistência pacífica

especialEspecial: Conheça todos os Nobel da Paz

 

Em nota de imprensa do Palácio do Itamaraty, o governo reiterou "a expectativa de que esse gesto e as recentes eleições realizadas em Myanmar venham a impulsionar as reformas com vistas ao estabelecimento de instituições democráticas no país".

 

A detenção de Suu Kyi se deu devido à sua oposição aos 48 anos de regime militar no país antes conhecido como Birmânia.

 

As eleições realizadas em Mianmar no último dia 7 de novembro foram vencidas por um partido apoiado pelo Exército.

 

Os líderes militares do país poderão obter um certo grau de legitimidade internacional ao libertar Suu Kyi, filha do herói da campanha de independência de Mianmar do Reino Unido.

 

Tal medida seria o primeiro passo para uma revisão das sanções por parte de nações ocidentais contra o país.

 

Leia ainda:

linkBan Ki Moon ressalta dignidade de Suu Kyi

linkObama comemora libertação de Suu Kyi em Mianmar

linkMais de 2 mil presos políticos vivem em condições desumanas em Mianmar

linkEstadistas pedem libertação de mais presos

Tudo o que sabemos sobre:
MianmarSuu Kyiativistanobel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.